Após 500 dias, Prefeitura de Palmas avalia que resposta e enfrentamento epidemiológico nortearam tomada de decisões e ações contra a Covid-19

Nos acompanhe em tempo real:
Compartilhe nas redes sociais:
29/07/2021 20h38
0 Comentários

Nesta quinta-feira, 29, a Prefeitura de Palmas completa 500 dias de resposta e enfrentamento da pandemia da Covid-19. Realizado pela Vigilância Epidemiológica da Secretaria Municipal de Saúde (Semus), o monitoramento proporciona à gestão municipal a tomada de decisões com vistas ao controle da pandemia e, consequentemente, a redução do número de casos e de óbitos em decorrência da enfermidade.

 

A superintendente de Atenção Primária e Vigilância em Saúde da Semus, Gilian Cristina Barbosa, destaca que o acompanhamento realizado nestes 500 dias foi decisivo para as ações implementadas. Dentre as principais, Gilian Cristina enumera a implantação das Unidades Sentinelas e a reestruturação das Unidades de Pronto Atendimento (UPAS) com a implantação de leitos de estabilização e suporte ventilatório e a ampliação da capacidade de produção das usinas de oxigênio das UPAS. “Foram de 5 mil para 20 mil metros cúbicos de oxigênio, isso garantiu e garante o atendimento aos pacientes suspeitos ou confirmados pela infecção da Covid-19 que necessitam de suporte ventilatório de oxigênio”, ressaltou ela.

 

Ainda de acordo com a servidora, os progressos continuaram com a implantação da nova sede da Unidade de Saúde da Família (USF) José Hermes, que teve sua antiga estrutura implementada para um serviço de atendimento de urgência e emergência. “A reestruturação e criação de unidades foi essencial, além do crescimento da oferta de leitos de estabilização para os usuários.”

 

Baixa letalidade

 

Outra análise decorrente dos 500 dias, conforme ressalta a superintendente, é a efetividade do conjunto de ações e medidas que foram estabelecidas de forma oportuna ao enfrentamento da doença na capital. Segundo ela, essas medidas asseguraram que, mesmo com uma elevada taxa de incidência para a Covid-19 entre as capitais brasileiras, Palmas manteve uma das menores taxas de letalidade da doença. A Superintendente finaliza afirmando que o atual cenário pandêmico, com redução do número de casos e implementação da vacinação, é resultado do trabalho desenvolvido pela gestão municipal e pela participação de todas as secretarias. Acesse o Boletim Epidemiológico nº 497, publicado nesta quinta-feira, 29.

 

Texto:
Gostou?
  • (0)
  • (0)
Compartilhe:

0 Comentários

Nome:
E-mail:
Comentário:
Caracteres restantes: 700
 
  • Nenhum comentário publicado.